Fórum Nacional de Juizados Especiais é aberto em Porto Velho

Quinta, 18 Maio 2017 14:04

Magistrados de todo Brasil discutem soluções consensuais de conflitos

O encontro de magistrados brasileiros que atuam nos Juizados Especiais teve seu primeiro momento no palco do teatro Palácio das Artes, em Porto Velho. A abertura do XLI Fonaje foi marcada por momentos de reflexão e comemoração, afinal, como destaca o tema do Fórum nesta edição, são "20 anos de democratização do acesso à Justiça".

O juiz Mario Kono, de Mato Grosso, foi convidado a ler o texto de boas vindas aos colegas, no qual foi destacado os objetivos do Fonaje - intercâmbio de ideias e padronização de procedimentos - o histórico do Fórum, atuante deste 1984, e privilégio de Rondônia e Porto Velho em receber encontro de tamanha magnitude. "A beira do rio, rica em vida, carrega nossas origens, nossa história, mistérios e encantos da floresta", destacou.

Foi a deixa para a entrada da apresentação cultural da noite, o "Sons de Beira", com os músicos Bira Lourenço e Katatau, resultado de pesquisa musical feita com instrumentos e objetos típicos do universo ribeirinho. Os timbres e ritmos amazônicos encantaram os convidados que puderam viver uma experiência sonora única e sensações auditivas peculiares.

Após a intervenção cultural, o presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia, desembargador Sansão Saldanha declarou aberta a solenidade e passou a palavra a presidente do Fórum Nacional de Juizados Especiais, juíza Maria do Carmo Honório, que agradeceu o apoio e acolhimento da Justiça de Rondônia nesta empreitada de discussões e busca pelo aperfeiçoamento judicial. "Nesses 20 anos, muito se avançou, mas estamos no meio do caminho, temos ainda muito a conquistar", disse a magistrada.

O Coordenador dos Juizados Especiais em Rondônia, o desembargador Raduan Miguel Filho, se disse honrado em receber o Fonaje, principalmente em proporcionar aos juízes de todo o Brasil a oportunidade de conhecer a Justiça Rápida Itinerante, a pioneira em levar a Justiça mais próxima do cidadão. "São 3 décadas de democratização do acesso. Trabalho que vocês puderam conferir hoje ao visitar o barco da Justiça na comunidade de São Carlos, às margens do Rio Madeira", referindo-se a atividade extra do Fonaje.

Alexandre Miguel, presidente da Associação dos Magistrados também foi convidado a se manifestar e destacou o protagonismo de Rondônia, que já foi considerado um dos tribunais mais céleres e eficientes. "Fomo pioneiros em  levar a Justiça até comunidades distantes, reservas indígenas, populações tradicionais ribeirinhas e localidades onde o serviço público em geral não consegue chegar, mas o judiciário ali se faz presente.

Um vídeo sobre a operação, com imagens da trajetória de atuação de juízes e servidores, assim como os beneficiados do programa foi exibido durante a solenidade. Em seguida o juiz Paulo Ricardo Cunha Chimenti fez um relato da visita dos juízes ao Baixo Madeira, considerada por ele, "uma experiência enriquecedora" para todos.

Após a cerimônia, os participantes puderam assistir à palestra motivacional de Daniel Godri Junior, que com humor e exemplos de casos reais, procurou demonstrar aos convidados o que é necessário para fazer a diferença no trabalho e na vida. Com o tema "Excelência pessoal", o palestrante trouxe dicas para melhorar do clima organizacional e o relacionamento interpessoal nas unidades de atuação.

O XLI Fonaje segue a programação até o dia 20, com palestras, oficinas, grupos de trabalho e plenária para aprovação de enunciados.

 

 

Assessoria de Comunicação Institucional

Publicado em site Notícias TJRO