“O trabalho do Conselho é de fundamental importância para garantir a eficiência, transparência e imparcialidade do Poder Judiciário”, destacou o Presidente da AMB

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizou, nesta segunda-feira (20), uma sessão solene para empossar seis novos conselheiros: o Ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Guilherme Augusto Caputo Bastos; o Desembargador José Rotondano (TJBA); a Desembargadora Mônica Nobre (TRF-3); a ex-presidente da AMB Juíza Renata Gil (TJ-RJ); a Juíza federal Daniela Madeira (TRF-2); e a Advogada da União Daiane Nogueira de Lira.

A Diretoria da AMB acompanhou a cerimônia, na qual estiveram presentes autoridades de todo o Poder Judiciário. O Presidente da AMB, Frederico Mendes Júnior, destacou a honrosa missão dos novos conselheiros à frente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) .

“A AMB parabeniza os empossados e reafirma seu compromisso em colaborar com o CNJ em prol do aprimoramento do sistema de Justiça brasileiro. A posse dos Conselheiros representa a renovação e o fortalecimento da instituição. O trabalho do Conselho é de fundamental importância para garantir a eficiência, transparência e imparcialidade do Poder Judiciário. Acreditamos que a diversidade de experiências trazidas pelos novos conselheiros será fundamental para enfrentar os desafios que se apresentam à Justiça brasileira”, disse.

No discurso de abertura da sessão, o Presidente do STF e do CNJ, Ministro Luís Roberto Barroso, citou os eixos de trabalho que vão nortear sua atuação à frente do CNJ neste ano: eficiência da Justiça, promoção dos direitos fundamentais, uso da inovação e da tecnologia. O Ministro ressaltou a colaboração dos conselheiros e destacou a importância do trabalho do CNJ para o fortalecimento do Poder Judiciário “Aqui se trabalha muito, aqui se trabalha com boa-fé, aqui se trabalha com boa vontade, aqui se trabalha pelo Brasil num esforço de fazer um país melhor”, concluiu.

No discurso de posse como conselheira, a ex-Presidente da AMB Renata Gil agradeceu o apoio dos Magistrados brasileiros e lembrou de sua passagem pela entidade, período no qual pôde conhecer em profundidade a Justiça brasileira. “Reafirmo o compromisso, aqui no Conselho, de agregar a necessidade de entregar Justiça social à sociedade: temos um desafio gigantesco de entregar Justiça rápida, porque temos no Brasil 80 milhões de processos e apenas 18 mil Juízes”, disse.

Além da cerimônia de posse, o Conselho realizou nesta terça-feira a 1ª Sessão Ordinária de 2024.

Henrique Bolgue (Ascom/AMB)

Gostou? Então compartilhe!