Carregando...

AMBBotão Menu

AMB quer mais mulheres na Corte Eleitoral e reforça credibilidade nas urnas

Renata Gil se encontra com o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, nesta quinta-feira (27)

A presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Renata Gil, em visita, nesta quinta-feira (27) ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, tratou sobre a segurança das urnas eletrônicas e a participação feminina na Corte Eleitoral. O encontro ocorreu na sede do TSE.

A igualdade de gênero nos espaços de Poder é uma das bandeiras de Renata Gil. Em conversa com o ministro, a presidente da AMB reforçou a importância da participação de mulheres na Corte Superior. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), dos 90 ministros, 14 são mulheres.

“Para a consolidação do Estado verdadeiramente democrático de direito, muito ainda precisa ser feito. Em primeiro lugar, cabe-nos reconhecer a exclusão histórica das mulheres dos espaços de liderança da vida pública. Compete às mulheres, seja na esfera pública ou privada, ocupar, cada vezes mais, esses espaços de poder, rendendo, aos poucos, a história cultura que, durante muito tempo e ainda hoje, reprimiu e ofendeu diversos direitos do gênero fazendo prevalecer a falsa impressão de que a magistratura e a política são espaços privativos à atividade masculina”, enfatizou.

No encontro, a presidente da AMB, Renata Gil, também reiterou defesa à confiabilidade da urna eletrônica.

“É o sistema mais seguro do mundo. Afirmo isso com total propriedade em razão dos 17 anos em que atuei como juíza eleitoral no Rio de Janeiro. São preocupantes os discursos pela imposição do voto impresso para colocar em xeque não só um sistema que é transparente e auditável, mas que já tornou o Brasil paradigma internacional em virtude do processo eleitoral que adota”, destacou Renata Gil.

O presidente do TSE destacou que as urnas eletrônicas eliminam qualquer tipo de fraude no pleito. “Todos os arquivos gerados pela urna podem ser solicitados para conferência. O voto eletrônico deixa rastro e pode ser auditado a qualquer tempo, o voto de papel não permite isso”, avaliou.

Confira o vídeo do presidente do TSE sobre a segurança da urna eletrônica no Brasil. Clique aqui.


Daiane Garcez (Ascom)

AÇÕES PARA OS ASSOCIADOS