Associação dos Magistrados Brasileiros
AMBBotão Menu

AMB acompanha sabatina de magistrados indicados ao CNJ na CCJ do Senado

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal, aprovou, por unanimidade, nesta quarta-feira (11), os nomes do desembargador Luiz Fernando Tomasi Keppen e do juiz Mário Augusto Figueiredo de Lacerda Guerreiro para compor o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os nomes foram indicados para as vagas do Supremo Tribunal Federal (STF) e ainda serão submetidos à aprovação no Plenário do Senado.

Os dois candidatos são associados à AMB e foram prestigiados por integrantes da diretoria da entidade e presidente de associações locais. Acompanharam a sabatina na CCJ, o coordenador da Justiça Estadual da AMB, Frederico Mendes Júnior, o diretor da Secretaria de Assuntos Legislativos Leonardo Trigueiro, o diretor-tesoureiro da entidade, Márcio José Tokars, e os presidentes Geraldo Dutra de Andrade Neto (Amapar) e Thiago Brandão (Amapi), além de magistrados do Paraná e Piauí.

Luiz Fernando Tomasi Keppen é desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) e destacou, em sua fala, o apoio que tem recebido dos colegas da Magistratura do estado, ressaltando a presença da AMB e da Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar) na sabatina. Keppen lembrou, também, que quando atuava como juiz no Paraná participou de mutirões híbridos do TJPR para diminuir os atrasos nos processos. “Aquilo foi um híbrido da ideia de que mutirões ajudam muito e colaboram decididamente para que a Justiça possa alcançar a efetividade que todos nós esperamos dela. Isso é um compromisso que, me parece, que podemos assumir aqui”, disse.

Por sua vez, o juiz Mário Augusto Figueiredo de Lacerda Guerreiro, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), lembrou de sua trajetória na academia até chegar à Magistratura, onde atua como juiz auxiliar do CNJ desde o começo do ano. O magistrado frisou que entre os assuntos simpáticos a sua atuação no Conselho está a questão das penitenciárias. “Acho que nesta área temos muito a fazer. O processo de execução eletrônico tem que ser ampliado, a questão da biometria dos presos também deve ser ampliada, assim como mais políticas sociais voltados aos egressos”, pontuou.

Se aprovados pelo Plenário do Senado Federal, os dois candidatos assumirão as vagas que estão hoje sendo ocupadas pelos conselheiros Márcio Schiefler Fontes, que é juiz estadual em Santa Catarina, e Maria Iracema do Vale, desembargadora do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Ambos terão o mandato encerrado em outubro deste ano.

Leia também:

Desembargador e juiz associados à AMB são indicados para o CNJ

Campanhas e Eventos