Associação dos Magistrados Brasileiros
AMBBotão Menu

Projetos no Amapá buscam fortalecer mulheres agredidas e combater a reincidência

Foto: Equipe Psicossocial do Juizado

Fortalecer as mulheres vítimas de violência doméstica e familiar e combater a reincidência e o descumprimento de medidas protetivas por parte dos homens agressores. Esses são os objetivos de dois projetos coordenados pela juíza Michelle Costa Farias, titular do juizado de Violência Doméstica e Familiar, da Comarca de Santana, do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJAP): Círculos de Restabelecimento com Mulheres em Medida Protetiva de Urgência e o Transformando Trajetórias. Ambos utilizam ferramentas da Justiça Restaurativa, como organização circular, objeto de fala, escuta ativa e perguntas abertas e reflexivas.

O primeiro projeto, iniciado em 2015, busca fortalecer as mulheres desde o momento em que elas registram a ocorrência na Delegacia de Polícia, para que consigam romper definitivamente os ciclos de violência doméstica e familiar. O público-alvo são mulheres em ações judiciais de medida protetiva de urgência que foram encaminhadas ao setor psicossocial pela juíza para avaliação do caso. Elas são convidadas a participar das reuniões dos círculos de restabelecimento, que ocorrem quinzenalmente nas dependências do Fórum.

O grupo não tem um número de participantes fixo e determinado, o que possibilita que mulheres em diferentes momentos se encontrem e troquem experiências, fortalecendo aquelas que estão iniciando suas ações judiciais. Elas permanecem no grupo enquanto houver interesse ou até a extinção das respectivas ações judiciais.

“O projeto é importante para que as mulheres ressignifiquem suas vidas, entendam que há uma construção que as leva a se enredar em uma relação violenta. Essas nuances precisam ser compreendidas e transformadas”, disse Michelle Farias. Ela explica que a participação das mulheres no projeto reduz a ausência às audiências de instrução nas ações penais e o abandono das ações cautelares de medidas protetivas de urgência. Desde a sua implantação, já participaram 185 mulheres.

Já o Transformando Trajetórias, iniciado em abril deste ano, é voltado para homens em ações judiciais de medida protetiva de urgência que foram obrigados, por decisão judicial, a frequentar as reuniões do projeto. O objetivo da ação é fazer com que os homens repensem as suas condutas e reflitam sobre o modo como veem a mulher na sociedade.

“Se os homens aprenderam a ser machistas por causa da cultura patriarcal, também podem desaprender e reaprender a ser de outro modo desde que tenham acesso a uma linha de pensamento que os coloque de frente com seus próprios sentimentos em relação as suas experiências de vida”, disse a juíza. Ela conta que os agressores chegam embrutecidos, mas ao longo dos encontros vão reconhecendo a violência que praticaram e tentam mudar de comportamento.

Segundo a magistrada, a participação dos homens no projeto reduz a probabilidade de descumprimento das medidas protetivas de afastamento e de aproximação da vítima. Atualmente, são duas turmas de dez participantes cada. Já participaram 25 homens no projeto. As reuniões também ocorrem quinzenalmente nas dependências do Fórum.

Leia matérias relacionadas:
Boas práticas de magistrados combatem violência doméstica e familiar

Auxílio a um toque

Constelação familiar: técnica ajuda a romper ciclo de violência doméstica

Projeto no Acre vai conscientizar indígenas sobre violência contra mulheres

Projeto Violeta garante segurança a vítimas de violência ao agilizar tramitação de medidas protetivas de urgência

Projeto atende autores de violência contra mulher para evitar reincidência

Com foco na reparação estética, Projeto Fênix busca recuperação física e psicológica da vítima de violência doméstica e familiar

Reduzir a violência doméstica tratando (também) os agressores

Campanhas e Eventos